[Ir para o conteúdo]

Práticas recomendadas para 988

O sistema nacional de atendimento a crises 988 entra em operação em 16 de julho de 2022. Esse novo número de emergência é dedicado exclusivamente a qualquer pessoa que esteja passando por uma crise de saúde comportamental, independentemente da gravidade. O 988 foi projetado para aliviar o estresse do atual sistema de chamadas 911, reduzir a dependência da aplicação da lei e diminuir as visitas ao pronto-socorro, ao mesmo tempo em que oferece atendimento compassivo para aqueles em crise.

Para realizar os objetivos fundamentais do 988, o sistema terá que ser mais do que um número. Precisará ser um ecossistema devidamente financiado e coordenado de profissionais de saúde mental treinados, juntamente com recursos de última geração, proporcionando uma experiência multitoque que facilite o acompanhamento. A consistência entre condados e estados também contribuirá para o seu sucesso.

A National Alliance on Mental Illness (NAMI) citou três componentes principais que são necessários para compor um sistema ideal de resposta a crises.1

  1. Central de Atendimento Regional de Crise
  2. Resposta da equipe móvel de crise
  3. Instalações de recepção e estabilização de crises

Os call centers serão o primeiro ponto de contato para alguém passando por uma crise de saúde comportamental. Equipados com profissionais de saúde mental treinados, os centros funcionarão como um centro com a capacidade de enviar equipes móveis de crise, verificar a disponibilidade de atendimento hospitalar e agendar consultas ambulatoriais no mesmo dia ou no dia seguinte. Eles também farão ligações de acompanhamento e se comunicarão com os profissionais de saúde mental, conforme necessário.

Equipes móveis de crise serão enviadas quando as pessoas precisarem de mais do que suporte telefônico. Um exemplo dessa equipe é o modelo comprovado em campo: colegas treinados em parceria com funcionários formados em nível de bacharelado ou mestrado. Em algumas regiões, existem até equipes específicas de crise para jovens disponíveis. Essas equipes móveis de crise ajudarão a fornecer assistência/suporte adequado, evitando a implantação desnecessária de forças de segurança ou hospitalização.

A conexão em tempo real com a disponibilidade de leitos nas instalações de estabilização será necessária para fornecer o melhor atendimento possível quando uma pessoa em crise precisar ser hospitalizada. Um exemplo desse modelo de trabalho é a parceria da Beacon com a OPEN BEDS, que fornece um registro de leitos que permite que as instalações aceitem ou recusem uma pessoa por meio do sistema. As instalações também podem fornecer outras informações vitais, como quanto tempo levará para avaliar ou recusar uma pessoa ou por que alguém foi recusado. Este sistema também está implementando um despacho GPS em tempo real em algumas regiões.

Um último componente que não deve ser esquecido é a parceria comunitária. Ao unir-se a cada comunidade, um sistema de atendimento a crises pode ser personalizado para melhor atender às suas necessidades específicas. A boa notícia é que empresas experientes como a Beacon já possuem esses componentes centrais, tornando a resposta a crises comportamentais mais rápida, segura e, acima de tudo, mais compassiva.

Leia mais sobre o sistema de atendimento a crises 988.

1 https://www.nami.org/getattachment/43600aa2-34db-4fb0-964c-3b86927f768f/Advocacy-Resource-on-988-Crisis-Response-System-Vi


Sem comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *
Comentários inadequados e / ou não pertinentes ao tópico em questão não serão publicados.

Link Superior
pt_PTPortuguês